Visitas

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Livro Por uma vida melhor - Heloisa Ramos

O livro Por uma vida melhor, adotado pelo MEC esta causando polemicas.
O livro tem frases como: "nós pega", "os livro" e por ai vai.
A autora ainda diz que esta certo falar desta forma, e vai além, diz que o aluno que fala desta maneira pode sofrer preconceito linguistico!
Acho um absurdo a escola ensinar através de livro a forma errada de falar e escrever. O dever da escola é ensinar a norma culta. A forma popular de falar e escrever não cabe a escola ensinar. O professor deve e até pode trazer a sala de aula a forma errada de falar, mas não através de livros. Textos para reflexão da forma popular de se falar já seriam o bastante.

20 comentários:

Maria Alice Pitta disse...

A educação realmente chegou ao caos, prova esta é a aprovação pelo MEC do livro "Por uma vida melhor" de Heloisa Ramos. Considerando o alto nível de analfabetismo no Brasil, o livro parece bem oportuno à realidade brasileira. O que era chamado de erro de concordância "Nós pega o peixe." agora mudou de nome, chama-se variação linguística. Temos que reconhecer que o povo brasileiro é muito criativo na forma eufêmica para tratar problemas, tais como - desvio de dinheiro feito no mensalão, mudou para dinheiro não contabilizado. Perfeito! Nada como a riqueza da Língua Portuguesa e seus recursos lingísticos para justificar a ignorância de um povo. Fica um questinamento. Qual a finadade das escolas de hoje?

Arte Que Faço disse...

Maria Alice
Seu comentário foi bastante pertinente.
Quanto a finalidade das escolas hoje, creio que é deixar o povo burro, é só o que interessa aos nossos políticos.
Um país em que a nossa presidente quer ser chamada de "presidenta" e ainda assassinou a lingua portuguesa quando disse "diuturnamente e noturnamente" em uma única frase!

Ana Gabriela disse...

Cara dona do blog, não li o livro em questão, mas adianto que marcar o plural só no primeiro elemento (como em "os menino bonito") é um mecanismo bastante recorrente na Língua Portuguesa. É preciso analisar com cuidado a proposta da autora, porque senão daqui a pouco também vão querer banir o maravilhoso personagem de Maurício de Souza, Chico Bento!!!

Anônimo disse...

Gostaria de saber se Heloisa Ramos é formada em Letras. Se for é de um curso bem rasteiro. Não sabe nemo que é variação linguística.

Arte Que Faço disse...

Na minha opinião estão banindo lingua portuguesa das escolas isso sim!

Arte Que Faço disse...

Estão praticando bullying, bulindo com a lingua portuguesa.

maria cecilia correa da silva disse...

Acho que você não entendeu o livro "Para uma vida melhor", de Heloísa Ramos. Ou, quem sabe, pode estar sendo influenciado pelas matérias que tem sido veiculadas na folha de SP e na rede globo de televisão.
Aliás, antes que você possa dizer que estou cometendo erro gramatical por estar escrevendo nomes próprios com letras minúsculas explico que assim as vejo e assim as traduzo.

O que seria então do grande Adoniram Barbosa?
Só este e basta.

Paloma Bernardi disse...

Bom penso que, quem tem uma opinião como a de vcs deveria ao menos ter tido o trabalho de ler o livro, é por conta de pessoas como vcs que vivem no achismo, e apenas repetem o que ouvem, mas infelizmente não tem propriedade alguma para falar de um assunto tão importante e de um livro que com certeza é de grande importância para a educação, que o nosso Brasil esta como esta em relação a educação. Por favor leiam o livro antes de abrirem a boca para falar algo tão sem sentido!!!!!!!

Arte Que Faço disse...

Sem sentido é publicar uma barbaridade dessas,
e ainda ter pessoas que concordem com isso!

Arte Que Faço disse...

Gostaria de esclarecer que meu blog é democratico.
Em respeito a todos que por aqui passam e deixam seus recados, mesmo que diferentes dos meus, eu publicarei.

Anônimo disse...

Gente, eu queria que soubessem que existe uma coisa chamada linguistica que trata exatamente sobre essas questões de variedades dentro da nossa lingua.

Acredito eu que seja muito facil pegar um determinado trecho do livro e sair dizendo que a educação esta perdida, que o Brasil não tem mais salvação e etc...Porém, gostaria de pedir à todos que fossem se informar sobre o assunto antes de falarem alguma coisa, pois tenho certeza que o objetivo da autora foi tentar mostrar aos professores que estas variedades existem e que devem ser trabalhadas de forma especifica e não para que seja ensinada! Na verdade o que acontece é que na escola VAMOS aprender a forma culta, mas nem por isso devemos ser cruéis com os alunos, ou seja,que entendamos a sua maneira de falar, sem preconceitos, mas mostrando à ele a forma culta de nossa lingua!
Espero que tenham entendido mais ou menos o que quis dizer...Agora se não, aconselho a procurarem um especialista em linguistica, isso vai ajudar bastante! Obrigada

Anônimo disse...

Realmente interessante algumas opiniões, até o Governos assassina a Lingua Portuguesa; nossa Presidente diz: diuturnamento e "noturnamente". O Ministro da Educação, diz: "Cabeçario" ao invés de Cabeçalho. Diante disso, mantenhamos realmente as nossas crianças "educadas" pela nova metodologia, e continuaremos a "importar" mão de obra qualificada, porque nossos estudantes são exatamente o resultado que o nosso governo, e os cidadãos defensores dessa "liberdade de expressão" querem.
Enquanto o governos continuar dando "Pão e Circo" tudo continuará da mesma forma.
Os Paises do Primeiro Mundo agradecem e parabenizam a forma como somos administrados.
Parabéns àqueles que concordam com essa postura. Agora pra melhorar o governo ainda mantem livros em que 10 - 7 = 4!!!!!!
Dizer o que mais????

Anônimo disse...

Penso que vocês estão colocando em prática o preconceito linguístico que tanto nós professores tentamos combater. No Brasil temos a junção de diversas culturas e é impossível todos falarmos da mesma maneira. Eu gostei do livro pois ele mostra a realidade da nossa língua.

Arte que Faço disse...

Gostaria de saber qual empresa daria emprego para alguém que fala "nós pega o peixe"....

Anônimo disse...

E você fala como?
vc se pronuncia corretamente pelo menos 12 horas ao dia. Na verdade vc esta com preguisa de ler o livro que esta questionando.
isso é um assunto para quem já leu o livro.

Arte que Faço disse...

Não, eu não tenho "preguisa". A minha preguiça é de ler comentários iguais aos seus!

Anônimo disse...

Mula, com certeza voce cabulou as aulas de Portugues no Mobral. Voce não fala, relincha. Preguisa foi forte demais. Se suicida, faça um favor ao Mundo e se cale. Faça um favor a todos "Não escreva mais nada". Um asno desses ainda se dá ai trabalho de defender o indefensavel, com certeza ele trabalha isso "diuturnamente" e "noturnamente".

Anônimo disse...

Um país com tantos analfabetos, o dito livro, se é que pode ser chamado de livro, pode ser considerado como um manual para a permanência e consolidação do anafalbetismo. Então, para que serve a educação? Pelo teor do livro: nada! Creio que o próximo passo será distribuir cotas (ou quotas) para alunos analfabetos.

Anônimo disse...

Maria Alice, voce realmente está precisando fazer parte da sociedade brasileira, pois acho que vc não é deste planeta... faça vestibular e se vc tiver capacidade vc vai cursar uma faculdade de letras e saber o quanto vc está equivocada em sua opinião. ou te aconselho a ler o livro preconceito linguistico de Carlos Bagno. A sociolinguística é uma ciência séria, e que tem como objeto de estudo, entre outras coisas a variação linguística. e ao contrario do que muitos pensam , não é contra a norma culto e sim apenas admite que hajam ourtras formas de falar e que é puro preconceitp linguistico e social segundo Bagno achar que essas formas são erradas!. Voce é o tipo de pessoa que me faz sentir vergonha do Brasil... Jairo Rocha( estudante do curso de Letras da Universidade Federal do Pará)

mom el star disse...

Bem... achar, ou valorar algo de certo ou errado não é científico.
À Ciência não cabe dizer o que é certo, melhor,ou mais adequado etc.
Nós não estaríamos confundindo Gramática Normativa com Descritiva

(Destina-se a descrever ou explicar as línguas tais como elas são faladas. Explicita as regras que realmente são utilizadas pelos falantes. Descreve como se dá o funcionamento da língua e seus usos; é o conjunto de regras sobre o funcionamento de uma língua nos mais diversos aspectos ou níveis. A principal diferença em relação à gramática normativa, é que, na primeira, há a preocupação em ditar regras que muitas vezes só são observadas na escrita, enquanto que a gramática descritiva explicita as regras que os falantes sabem e que usam no dia a dia.
http://zellacoracao.wordpress.com/2...)