Visitas

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Quanto custa tomar um bom vinho no Brasil

Os vinhos chilenos e argentinos chegam ao consumidor nos Estados Unidos e na Europa a um preço mais baixo do que no Brasil
O chileno Casillero del Diablo com a uva Cabernet Sauvignon, por exemplo, é vendido por R$ 36,27 no supermercado Pão de Açúcar em São Paulo. Em Londres, a garrafa sai por R$ 15,76 na varejista Tesco, menos da metade; em Nova York, a Zackys vende por R$ 14,50.

Uma garrafa do argentino Los Cardos Cabernet Sauvignon custa R$ 11,27 ao consumidor de Nova York. Já para os paulistanos, a mesma mercadoria vinda da Argentina, um país vizinho e pertencente ao Mercosul, é vendida a R$ 32,90.
Importadores ouvidos pela reportagem apresentam dois grandes motivos para o alto preço do vinho: os impostos e a burocracia. Antoine Zahil, sócio-proprietário da Zahil Importadora, conta que a cascata de impostos sobre o vinho trazido do Mercosul equivalem a 80% do preço que ele paga. Isso ocorre porque a tarifa de importação para países da região é zero, mas há outros impostos como IPI, ICMS e PIS/Cofins.



Compare



Veja os preços de vinhos em diferentes cidades. Os valores estão sempre em reais e se referem a garrafas de 750 ml. Ao lado do nome da cidade, o do supermercado pesquisado.


Casillero del Diablo Cabernet Sauvignon (Chile)
Londres – Tesco 15,76
Madri – Corte Inglês 21,02
Nova Yorl – Zackys 14,50
São Paulo – P.Açúcar 36,27


Terrazas de los Andes Cabernet Sauvignon (Argentina)
Madri – Corte Inglês 30,68
NY – Hollidaywine 16,11
São Paulo – P .Açúcar 39,48


Dona Paula Malbec (Argentina)
NY-MarketLiquor 11,27
SP-P.Açúcar 33,16

Luigi Bosca Reserva Pinoir Noir (Argentina)
NY – MarketLiquor 24,18
São Paulo – P.Açúcar 85,49

Fonte Estadão

É ou não é um absurdo o que pagamos em impostos no Brasil?



.

Um comentário:

Anônimo disse...

Só é um absurdo pois os vinhos brasileiros são caros de mais. Ou seja, para proteger o vinho nacional que é ridiculamente caro, taxamos os estranjeiros. Ora, se o vinho nacional tivesse um preço justo, por exemplo, um vinho com estágio em barricas de 12 meses custando 35 ou um pouco mais reias, ai tudo bem taxar, proteção a nossa industria. Contudo, taxamos e cobramos caros os nossos próprios vinhos, é uma proteção mercadológica burra. Temos que incentivar o vinho brasileiro de qualidade e barato.
PS: Fora o Lugi Bosca e talvez o terrazas de los andes, nenhum dos vinhos citados no blog são realmente de "qualidade".